Apresentação

  • Enéias Forlin
  • Alexandre Guimarães Tadeu de Soares

Resumo

O dossiê Descartes e sua correspondência teve a sua escolha motivada em boa parte pelaelaboração de novas edições da correspondência de Descartes na França ( Jean-Robert Armogathe),na Itália (Giulia Belgioioso), na Holanda (Erik-Jan Bos), nos Estados Unidos (Roger Ariew).Contribuiu também para essa escolha a pesquisa apresentada e o debate que se seguiu ao Colóquiohomônimo realizado em Campinas pelo GT (Grupo de Trabalho) Estudos Cartesianos da ANPOF.Trata-se de um esforço de acompanhar a mais atualizada pesquisa filológica dos textos deDescartes e explorar, como diria Jean-Robert Armogathe, o “laboratório do pensamento” do autor.Explicando e desenvolvendo suas teses metafísicas, científicas e morais, Descartes estabelece em suacorrespondência um diálogo culto e esclarecedor com importantes pensadores, teólogos e cientistasda sua época, como Marin Mersenne, Antoine Arnauld, Isaac Beeckman, Jean-Baptiste Morin,Claude Picot, Pierre Fermat, Henry More, Thomas Hobbes, Constantijn Huygens e Elisabethda Boêmia. Já não se trata do filósofo que em sua solidão contemplativa escreve só para si mesmoa fim de tornar mais claro o seu pensamento, mas daquele que se submete a uma interlocuçãoreflexiva num círculo privado. Domínio próprio, em que o pensamento se ensaia e se justifica, emque seu grau de liberdade e de provocação intelectual, embora variável conforme o correspondente,tem um estatuto diferente do autor editado cuja obra circula ostensivamente. Nesse registro dacorrespondência, podemos ver efetivamente como Descartes é entendido e apreciado pelos seuscontemporâneos, podemos verificar de modo privilegiado como a sua época o recebe.
Publicado
2018-09-09
Como Citar
Forlin, E., & Soares, A. G. T. de. (2018). Apresentação. Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy [issn 2595-1211], 1(2). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3250