Grafites: linguagens e narrativas nas paredes de Pompeia

  • Renata Garraffoni

Resumo

O objetivo central desse artigo é discutir a diversidade de formas de escrita dos romanos, em especial as de caráter não oficial. Assim, em primeiro lugar discuto a Carta VIII de Plínio a Romano para comentar sobre a postura que se espera de um membro da elite ao ler os grafites rabiscados nas paredes. A seguir, a partir da discussão de aspectos da teoria social, procuro discutir com os grafites constituem um corpus importante para entender a diversidade de espaços de escrita. O hábito epigráfico dos romanos nos permite, portanto, leituras mais plurais das suas narrativas e do latim escrito não erudito.
Palavras-chave: grafites, Pompeia, espaços de escrita, hábito epigráfico.


Publicado
2018-02-26
Como Citar
Garraffoni, R. (2018). Grafites: linguagens e narrativas nas paredes de Pompeia. Revista De Estudos Filosóficos E Históricos Da Antiguidade ___________________________ Issn: 2177- 5850, (31). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/cpa/article/view/3028
Seção
Artigos