Os dispositivos de poder e o corpo em Vigiar e Punir

  • Sally da Silva Wellausen

Resumo

O artigo examina as relações de poder com o corpo em Vigiar e Punir. Michel Foucault propõe pensar o poder diferentemente das concepções correntes. Ele não retoma a análise do poder como processo de totalização, centralização, mas como transversalidade, isto é, como dispersão, constelação, multiplicidade, como microfísica, uma vez que o poder está em todo lugar e em todas as coisas. A preocupação de Foucault está mais voltada para a produção singular do sujeito do que para a questão ontológica do poder, mostrando que o poder tem duplo aspecto: a parte visível (instituições) e a invisível (o dispositivo), no interior do qual circulam novas intensidades de poder, refletindo a paisagem mental de uma época, deixando de lado a evidência do Estado como lugar do poder Foucault inaugura uma análise microscópica do poder, investigando as técnicas minuciosas e detalhadas do poder sobre o corpo e que se estende ao corpo social por inteiro, resultando na normalização dos sujeitos.

Publicado
2015-03-20
Como Citar
Wellausen, S. da S. (2015). Os dispositivos de poder e o corpo em Vigiar e Punir. Revista Aulas, 1(3). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/aulas/article/view/1936
Seção
Artigos