"Omnes et Singulatim": Governo e pastoral dentro da crítica da razão política de Michel Foucault

  • Rone E. dos Santos

Resumo

O presente texto tem por objetivo demonstrar a análise empreendida por Michel Foucault sobre a questão do governo, de maneira central sobre as reflexões efetuadas em Securité, Territoire, Population. Para Foucault, governar não é agir de forma a tornar o Estado soberano e centralizado, mas é antes uma espécie de “pastoral” que, usando uma variedade de técnicas de controle, visa dirigir, sustentar e conhecer a fundo “todos e cada um” dos indivíduos. O “governo pastoral” é fruto da aproximação foucaultiana entre o pastorado cristão e uma nova maneira de governar surgida entre os séculos XVII e XVIII e denominada através de neologismo “governamentalidade”, onde o domínio de ação é calculado graças a uma série de instrumentos que compõem a nascente tecnologia de governo chamada polícia.

Publicado
2015-03-20
Como Citar
Santos, R. E. dos. (2015). "Omnes et Singulatim": Governo e pastoral dentro da crítica da razão política de Michel Foucault. Revista Aulas, 1(3). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/aulas/article/view/1935
Seção
Artigos