Da carruagem ao chão: Corpo, História e Imaginário em "A Bela da Tarde"

  • Fernando de Almeida Silveira

Resumo

“A Bela da Tarde” (“La Belle de Jour”), filme dirigido por Luis Bunuel, é um marco do cinema francês. A conduta transgressora da protagonista e prostituta Severine nos remete a relações de poderes e saberes sobre os corpos, tendo os enunciados da alma dos personagens (erótica e sexual, norma ou anormal) como instrumentos de produção de identidades e subjetividades. Neste contexto, sonhos, alma e psiqué emergem de um dispositivo de sexualidade de classe burguesa, na construção do imaginário subjetivo, em uma correlação recíproca entre Psicologia e História, mais afeita aos enredamentos histórico-culturais do que a noções personalistas e psicologistas, referentes a um eu fechado.

Publicado
2015-03-19
Como Citar
Silveira, F. de A. (2015). Da carruagem ao chão: Corpo, História e Imaginário em "A Bela da Tarde". Revista Aulas, 1(3). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/aulas/article/view/1919
Seção
Artigos